“A tarifa vai aumentar”, afirma diretor de transporte da URBS

Posted on 11 de fevereiro de 2011

0


Ontem cerca de 70 estudantes manifestaram contra o aumento da tarifa do ônibus em Curitiba. O protesto iniciou por volta da 10hrs na praça tiradentes com direção a URBS onde representantes do movimento contra o tarifaço entregaram uma carta ao diretor de transporte da UBRS, Lubomir Ficinski, que disse:” a tarifa vai aumentar.”

Segundo Ficinski a alteração da tarifa do ônibus se deve ao aumento do salário dos servidores públicos e a quantia de idosos que utilizam o transporte e não pagam tarifa. Afirmou tambem que considera justo o preço para R$2,50, mas com certeza este deve ir de carro trabalhar e ganha um salário alto para considerar o novo valor da tarifa uma micharia.

Durante a passeata foram distribuidos panfletos explicando sobre aumento da tarifa, considerando que transporte não é mercadoria e sim um direito de todo cidadão como previsto na constituição. Representantes do movimento afirmaram:”Se a tarifa aumentar Curitiba vai parar”.

Hoje as 19hrs estudantes se reunirão no DCE da UFPR para organizarem um novo ato em Curitiba.

Confiram a carta entregue ao diretor de transporte, que assinou mas não se comprometeu com o conteúdo:

Senhor Diretor da URBS,

Marcos Isfer,

As entidades abaixo assinadas vêm de público manifestar o interesse no
congelamento da passagem em R$2,20.

Acreditamos na urgência do assunto, visto o valor do transporte coletivo
para milhares de pessoas que, muitas vezes, têm nos ônibus a sua única
forma de locomoção. Além disso, reconhecemos a importância do assunto como
uma grande bandeira da administração municipal, por tanto que
nossas palavras não sejam ignoradas.

Deve-se ter consciência de que o transporte coletivo é um direito do povo,
garantido na Constituição Federal de 1988, e se traduz em uma obrigação
dos estados e dos municípios em oferecer esse serviço para a população.

Pouco nos importa se os custos operacionais e a inflação subiram e se isso
impede a conservação do lucro das empresas em patamares, no mínimo,
iguais. A questão não é o aumento passar na prova de justificação perante
as empresas, a questão é o aumento passar diante da concepção popular.

Livre de interesses daqueles que querem utilizá-lo em seus próprios
benefícios, o transporte assim como a saúde, a educação, a segurança, a
moradia, o lazer entre outros deve ser tratado como bem público e nunca
como mercadoria.

Exigimos o seguinte compromisso:

Congelamento imediato e definitivo da tarifa em R$ 2.20.

Atendida nossa reivindicação, poderemos acreditar e consolidar uma cidade
democrática e participativa.

Rede Contra o Aumento da Tarifa, 10 de fevereiro de 2011.

Diretório Central dos Estudantes – DCE/UFPR
Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários – SEEB
Sindicato dos Trabalhadores da UFPR, UTFPR, Funpar/HC e IFPR –
Sinditest/PR
Centro Acadêmico de Psicologia – CAP/UFPR
Centro Acadêmico de Comunicação Social – CACOS/UFPR
Centro Acadêmico de História – CAHIS/UFPR
Centro Acadêmico Vilanova Artigas – Arquitetura e Urbanismo –
CAVNA/UTFPR
Centro Acadêmico de Licenciatura em Música – CALMU/Embap
Movimento Mudança
Movimento Passe-Livre – MPL
ONG Sociedade Peatonal
Coletivo Maio
Coletivo Barricadas
Coletivo Outros Outubros Virão
Partido Acadêmico Renovador – PAR/UFPR
Consulta Popular
Partido Socialismo e Liberdade – PSOL
Luta Socialista
Partido dos Trabalhadores Curitiba – PT
Juventude do Partido Social Cristão – J-PSC
Centro Academico de Sociologia – PUC
União da Juventude Comunista – UJC
Instituto Reage Brasil
Coletivo Quebrando Muros

Video: estudantes manifestam contra o aumento da tarifa em Curitiba

Posted in: Transporte